Caixa especial Manuel Bandeira – promoção Amazon

A Global Editora produziu uma caixa especial com cinco livros fundamentais de Manuel Bandeira, considerado o grande pai da poesia brasileira. Trata-se de uma promoção exclusiva para a Amazon. A cinza das horas, Libertinagem, Belo belo, Estrela da manhã e Estrela da tarde formam um conjunto indispensável para quem deseja entender a raiz mais vigorosa da poesia do Brasil.

O cronista Rubem Braga foi fortemente influenciado por Bandeira. Drummond o admirava imensamente. Mário de Andrade tinha por ele grande respeito. Gilberto Freyre, profunda amizade. E o número de libertados, tanto leitores quanto escritores, por sua poesia feita de palavras do dia a dia, de aproximações de coisas do cotidiano, com as grandezas e profundezas colocadas de forma alcançável, é incontável.

Veja o box na Amazon

É um poeta em que as “novidades” modernistas se fundem ao melhor da tradição lírica luso-brasileira. Bandeira sente-se à vontade tanto no verso livre quanto nas formas fixas, as quais usualmente renova, impondo-lhes um frescor todo seu. Um clássico.

Cláudio Neves, na apresentação de A cinza das horas.

 

 

DESENCANTO

Eu faço versos como quem chora
De desalento… de desencanto…
Fecha o meu livro, se por agora
Não tens motivo nenhum de pranto.

Meu verso é sangue. Volúpia ardente…
Tristeza esparsa… remorso vão…
Dói-me nas veias. Amargo e quente,
Cai, gota a gota, do coração.

E nestes versos de angústia rouca
Assim dos lábios a vida corre,
Deixando um acre sabor na boca.

– Eu faço versos como quem morre.

                            Teresópolis, 1912

 

Professor doutor da Faculdade de Letras da USP, Ivan Marques apresenta a importância de Manuel Bandeira neste vídeo.

O CACTO

Aquele cacto lembrava os gestos desesperados da estatuária:
Laocoonte constrangido pelas serpentes,
Ugolino e os filhos esfaimados.
Evocava também o seco Nordeste, carnaubais, caatingas…
Era enorme, mesmo para esta terra de feracidades excepcionais.
Um dia um tufão furibundo abateu-o pela raiz.
O cacto tombou atravessado na rua,
Quebrou os beirais do casario fronteiro,
Impediu o trânsito de bondes, automóveis, carroças,
Arrebentou os cabos elétricos e durante vinte e quatro horas privou a cidade
[de iluminação e energia:
– Era belo, áspero, intratável.

                                                                  Petrópolis, 1925

MOMENTO NUM CAFÉ

Quando o enterro passou
Os homens que se achavam no café
Tiraram o chapéu maquinalmente
Saudavam o morto distraídos
Estavam todos voltados para a vida
Absortos na vida
Confiantes na vida.
Um no entanto se descobriu num gesto largo e demorado
Olhando o esquife longamente
Este sabia que a vida é uma agitação feroz e sem finalidade
Que a vida é traição
E saudava a matéria que passava
Liberta para sempre da alma extinta.

 ***

Compre aqui:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *