Alcântara Machado: texto bom é eterno

Por / 1 semana atrás / Entrevistas / Nenhum Comentário

Ler os contos de António de Alcântara Machado é como ler algo escrito hoje sobre o passado. A linguagem é direta, econômica. Sagaz. Períodos curtos, uma bem-vinda repetição de palavras-chave em algumas frases, ironia e oralidade. Como os judeus de Nova York são o alvo do olhar de Woody Allen no cinema, os italianos de São Paulo são o de Alcântara Machado – com riso e choro. E o comportamento da sociedade que está retratada nessa nova edição de Melhores Contos – António de Alcântara Machado (Global Editora) ainda ecoa por aí –  quem lê não tem dificuldade de escutar.

Todos os contos das duas grandes obras do escritor estão reunidos nesse volume: de Brás, Bexiga e Barra Funda e Laranja da China. O responsável pela seleção e apresentação do livro é o professor doutor Marcos Antonio de Moraes, do IEB – Instituto de Estudos Brasileiros da USP. Nesta entrevista, ele analisa a relevância dos textos de Alcântara Machado, escritos na década de 20 do século passado, quase cem anos depois.

Deixe um comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked. *